21/10/2010

Gol muda comando para ser mais eficiente

Valor Econômico
Gol muda comando para ser mais eficiente
Gol quer crescer sozinha, TAM mira rotas rentáveis e Azul prevê alta no preço das passagens
Paola de Moura Do Rio
21/10/2010

O presidente da Gol Linhas Aéreas Constantino de Oliveira Júnior, disse ontem que a reestruturação do alto escalão da empresa está finalizada. "O objetivo era dar mais agilidade à companhia, aumentar a eficiência da operação, no que diz respeitou a pontualidade, regularidade e eficiência".

Segundo o executivo, as alterações no alto escalão da empresa iniciadas em novembro de 2009 e finalizadas na terça-feira, com o anúncio da quarta vice-presidência, são uma evolução natural da companhia em um mercado que vem crescendo. "Estamos focados em ganho de produtividade".

A Gol reduziu de cinco para quatro o número de vice-presidências, remanejou diretorias e trocou dois vice-presidentes. Na terça-feira foi anunciada a saída do comandante Fernando Rockert de Magalhães, da área técnica, que foi substituído por Adalberto Bogsan. Constantino disse que a reestruturação não prevê demissões ou cortes de cargos.

Para o presidente da Gol, as recentes fusões que aconteceram no mercado são uma tendência mundial, mas por enquanto, a companhia ainda não tem planos de se unir a outra empresa aérea. "Nosso objetivo é sermos perfil de baixo custo do mercado nacional. Ainda há um potencial imenso. São 30 milhões, os novos consumidores da classe C chegando ao setor".

O aquecimento da demanda, que faz o mercado crescer a um ritmo de até 30% ao mês, como aconteceu em setembro, já mexe com os planos de aumento de frota de algumas companhias. Conforme o Valor informou na edição de sexta-feira, Azul e TAM aumentaram suas previsões e compraram neste ano aeronaves não programadas inicialmente. E a Gol não descarta a possibilidade de fazer o mesmo a partir de 2014. Pedro Janot, presidente da Azul, diz que já está "em um ritmo muito acelerado".

Constantino Júnior, diz que, se houver necessidade, a companhia tem flexibilidade para aumentar o número de aviões já encomendadas. "Podemos alterar os contratos de leasing e não devolver os aviões no fim do prazo", diz ele. Hoje a Gol tem 111 aeronaves Boeing e vai chegar a 2014 com 125. Além disso, está substituindo seus aviões mais velhos (737-300 e 767-300) por modelos mais novos.

A expansão da classe C associada à entrada de novos concorrentes, que trazem mais aviões, provoca mudanças nas fatias de mercado. A TAM, líder do mercado, estava com 42,40% de participação, em setembro, abaixo dos 44,15% do mesmo mês do ano passado.

"O que está ocorrendo é uma diluição natural das participações de mercado, mas o que nos importa é a rentabilidade da companhia. Temos uma busca constante do resultado", diz Paulo Castello Branco, vice-presidente comercial e de planejamento da TAM. "Estamos com uma ocupação de 85% em setembro, mês que é considerado baixa temporada. Na quinta-feira, batemos o recorde de operações, foram 945 no dia, o que significa uma decolagem a cada minuto e meio", acrescenta Castello Branco. A empresa vem abrindo novas rotas, "mas apenas para destinos considerados rentáveis", diz.

Quem espera tarifas menores e uma guerra entre as companhias vai ficar decepcionado. A demanda aquecida fará com que os preços tenham uma pequena alta nos próximos meses. Essa é a avaliação de Janot, da Azul. Para ele, os preços só não vão subir mais porque há também um grande crescimento da frota e da oferta de novos assentos. "Gol, TAM e a Azul encomendaram novos aviões e também estão aumentando a malha, o que deve segurar os preços", prevê.

Os executivos participaram ontem da abertura da feira anual da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav), que termina amanhã.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário